segunda-feira, 23 de março de 2015

Trauma de Milico


Todos sabem o quê é preciso ser feito mas poucos querem admitir. A grande maioria, mesmo entre os que se consideram e são mesmo esclarecidos, insiste em pedir nas ruas o que 'não vai rolar


Impeachment é um instrumento jurídico da Lei Civil, do Direito Constitucional; e todos sabemos que as instituições responsáveis pela aplicação da ciência do Direito, no Brasil, estão podres, vendidas, comprometidas com o ilícito (de rabo preso), acovardadas etc., etc..


Todo o Brasil assiste humilhado e a cada dia mais frustrado - às Instituições da ordem pública - do Estado de Direito conspirarem contra todas as liberdades civis em favor da implantação de um regime de governo comunista no país - imposto por meios fraudulentos de todo o tipo, desde as urnas eletrônicas viciadas até a lenta sabotagem da consciência nacional ao longo de quase cinquenta anos. 


A situação social, política e econômica do Brasil parece um um filme de terror, um pesadelo político engendrada pelas múmias remanescentes dos movimentos comunistas terroristas no Brasil dos anos de 1960/70.


Em meio a muito barulho e nenhuma ação efetiva, o Brasil permanece em estado de humilhação. A despeito do sucesso das manifestações populares que clamam impeachment, a verdade inegável é que as violações à Constituição perpetradas pelos comunistas terroristas do PT e aliados somente recrudesceram,tornaram-se praticamente diárias.


O que se lê nas manchetes subsequentes aos protestos - os comentários dos grandes nomes da cena política nacional, são evasivas, 'desculpas amarelas, adiamentos e falsos paliativos, estratégia que vem permitindo aos comunistas do Planalto ganhar tempo que lhes permite continuarem  armando-se (e aos seus 'coletivos), literalmente, até os dentes para - enfim, deflagrarem a situação do beco sem saída ou desespero alienante - um violento caos social, o trampolim perfeito para a consolidação do comunismo com declaração de estado de sítio e convocação dos militares à serviço da presidência comunista da República. 


O povo não chama os militares por pudores e traumas fundamentados em uma História da "ditadura (?) militar" distorcida de propósito. Ok, os comunistas o farão. O quê a população está com melindres de pedir, ainda que amparada por princípios constitucionais e protocolo da ONU (assinado por FHC) - os comunistas exigirão com a Lei magna na mãos.


O conteúdo das declarações das autoridades (comunistas e seus estafetas mercenários) mais que incompetentes, as 'falas dessas 'autoridades criminosas são completamente vazias de propostas corretivas reais. Ao contrário, promulgam pacotes econômicos que arrocham o orçamento do povo e medidas anticorrupção que beneficiam corruptos.


É óbvio que para os governantes comunistas do Brasil, os apelos populares são algo do qual eles poderão tirar proveito com alguma habilidade, ainda que a custo da violência promovida, do jogo sujo, do oportunismo em cima das crises. 


Os movimentos populares são um elemento do qual - os estrategistas desse regime assassino procuram, vão tirar e já estão proveito, em plena consciência de sua má fé - com interpretações distorcidas e respostas políticas em completa dissonância com o pleito das ruas. Porque esses comunistas apropriam-se de tudo e tudo a corrompem, inclusive o sentido dos anseios do povo.


Se o povo continuar depositando suas esperanças nas mesmas instâncias civis político-administrativas corruptas que vêm traindo a nação desde o fim do governo militar - é óbvio, que o destino desse povo é trevoso e repleto de sofrimento.


Mas, se é óbvio - por quê a população brasileira hesita em lançar mão de seu único braço de poder efetivo nesta situação - a saber - as Forças Armadas? É uma longa história, o suficiente para demandar um texto só para falar do tema: O Trauma de Milico


Talvez, se valer o esforço e a dor, se eu me convencer de que ainda faz alguma diferença dizer qualquer coisa - talvez, eu escreva sobre isso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário