sábado, 20 de dezembro de 2014

Loucura (música/texto)


Eu toco violão. Muito mal. Mesmo. Loucura foi feita na escada - em 1989, eu acho. Não ocultarei o fato de que naquele dia eu estava absolutamente 'de cara. Significa que há dias eu não fumava ...bien, enfim - há dias não fumava maconha. Então, era muito cedo, de manhã, e surgiu... um 'baseado. Eu o carburei e o efeito, depois de uma abstinência, logo apareceu em uma de suas formas mais características, para mim - ao menos. Vontade de Fazer. Vontade de Criar

Percebi as palavras dançando na mente. Sentei nos degraus da escada com o violão no colo, papéis em branco e caneta do lado. Fiz Loucura em uns dez minutos. 

Era tosca nas minhas mãos mas, depois, uns dois anos depois, S... um guitarrista e homem dos sete instrumentos e mais alguns - que o mundo perdeu, transformou Loucura em tudo o que eu sempre quis em meus pensamentos musicais e muito além do que eu poderia imaginar. Loucura fala de mim e creio, é possível que diga alguma  coisa também de você. Mas, muita coisa mudou.

Hoje, para mim, em mim, a Loucura, minha loucura, ainda é um esconderijo da alma, um escuro onde a gente nem se vê. Meu destino ainda é morrer mas, somente porque porque 'esticar as canelas é o final point de todo o ser vivente que caminha sob el Sol

E até se - mesmo agora - eu não consigo me encontrar; e continuo não inclinado a matar - isso não me impediu de aprender a bater, apanhar, atirar quando é preciso, sofrer, sangrar, ganhar, perder, esquecer e não pensar na hora que vai chegar de deixar de existir, aqui - e morrer.

LOUCURA
letra e música L.C.
SSA/BA, 1990
guitarras e arranjos SB
baixo Gustavo Adolfo
bateria Marcos 'Monster Moraes
THCBand
Típicos Habitantes da Cidade
produção/fotografia/edição LC

A loucura
é o esconderijo da alma
é o escuro
onde a gente não se vê
A neurose
é o fracasso da calma
e os meus vícios
são desencanto de viver

As regras, as leis
já não valem mais nada
e a Virtude não passa
de uma senhora aposentada

Onde está o meu lugar
quando é que vai chegar
a minha vez
Eu também quero existir
eu também quero ser alguém

Quem andava na linha
foi esmagado pelo trem
a História é o atestado
da incompetência dos Homens

Estou perdido nessa guerra
eu não consigo me encontrar
Meu destino é morrer
pela incapacidade de matar

Um comentário:

  1. Bem, eu recomendei esse blog para essa outra blogueira:

    http://fallenangelsofdepressiveword666.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir